Manifesto 2.0

Ok, dois anos mais tarde cá estou eu a mudar de ferramenta de novo. Porque larguei o Siteseed? Definitivamente não foi por me ter chateado com a Mr.Net, pelo contrário — cada vez tenciono ter mais projectos com eles. Alguns projectos brevemente até terão a ver com o Second Life, essa maravilhosa plataforma do que será um dia a Web 3.0. Nem sequer tenho tempo para explicar tudo o que tenho em mente, mas enfim…

Simplesmente a mudança foi para algo que seja mais “Web 2.0”. O Siteseed é efectivamente a melhor coisinha que existe para tudo aquilo que sejam sites Web 1.0. Faz tudo. É pequeno. Infinitamente customizável. Aguenta com sites com zililões de hits por dia. É escalável, modificável, adaptável. Faz-se qualquer coisa em Siteseed.

Mas… “qualquer coisa” de novo também requer programação! Deu-me uma trabalheira incorporar sitemaps do Google ou Google Analytics, assim como criar feeds de RSS. E desisti quando quis começar a meter mais coisas — suporte para del.icio.us, digg, Technorati… já nem falando em coisas bem mais esotéricas como sistemas de trackback e pingback, que qualquer ferramenta de gestão de blogs simplesmente não se pode dar ao luxo de não ter.

Tentei também adaptar o editor visual do Siteseed. Dá uma trabalheira de morte colocá-lo a funcionar de forma a que as imagens vão para o sítio correcto! Ao fim de vários meses, desisti. O número de pessoas que  efectivamente usa Siteseed para blogs limita-se a quatro. Quatro, de entre milhares de utilizadores! Ou seja, o esforço simplesmente não estava a compensar…
Ok. Chega a altura de abandonar a tecnologia de 2002 ou 2003 e começar a usar algo de 2006 🙂  Escolhi o WordPress por quatro boas razões:

  1. É fácil de usar. Em segundos está-se a escrever.
  2. É muito fácil de expandir. Basta acrescentar biliões de plugins e widgets, que estão todos os dias a serem desenvolvidos, e que fazem tudo, desde controlar remotamente a tostadeira até mandar posts por email.
  3. Pode-se mexer em quase tudo. Isto significa que não se está limitado a mudar corzinhas foleiras. Não, não apenas se podem mudar todos os estilos com imensa flexibilidade, mas pode-se re-programar tudo de raíz
  4. Finalmente, tenho estado a usar o WordPress para outros projectos pessoais e profissionais meus. Quanto mais truques aprender a ver isto a funcionar, melhor para mim 🙂

Licença de visualização

Todos os conteúdos neste blog que sejam da minha autoria estão disponíveis com uma licença Creative Commons 3.0 Attribution. Na esmagadora maioria das imagens e restantes elementos multimédia procurei usar conteúdos com licenças semelhantes ou no domínio público, mas não posso garantir que todos assim sejam; posso apenas dizer que fiz um esforço para escolher material cujos autores explicitamente indiquem qual a licença, ou, caso a omitam, geralmente coloco um link para a respectiva origem.

Links para sites externos obviamente são licenciados pelos respectivos autores, por licenças que podem ou não ser as mesmas.